29 de maio de 2009

Merdas escolares

Depois de comemorar o dia do nerd apropriadamente, assistindo De Volta Para o Futuro, comendo coisas gordas e navegando 18 horas seguidas pela internet, sem ao menos ligar o fuckin' Playstation, voltemos, pois, à merda.
Isso mermo, hoje falaremos de merda; ou bosta, barroso, cocô, fezes, titica, tolete, marrom, chocolate - a escolha é do freguês.


Precisa falar alguma coisa?
Geeeente do céu, hoje eu tava lembrando de um dia na minha folclórica escola antiga, localizada na Casablanca brasileira no Sacomã, em que eu tava precisando MUITO soltar aquele barrão gostoso. Mas maaaano, aquele banheiro fedia pra caralho e eu não tava a fim de encostar minha bunda naquela fétida privada. Hoje, imagino que nem as amáveis bactérias estomacais de meus coleguinhas conseguiam permanecer naquela merda toda. Foram pra merenda da escola.
Bom, como minhas tripas não suportariam por muito tempo a pressão causada por dois quilos de bosta, já estava tentando me consolar que era melhor uma infecção do que sair todo cagado e ser zoado para sempre por meus amiguinhos e refutar a possibilidade de beijar uma menina nos próximos doze séculos.
Porém, não havia papel higiênico naquela latrina suburbana...
...
...
O desespero tomou conta de todo o meu corpo. Pensei, 'caralho, eu não comi tanto pra encher meu intestino de barro' e praguejei a todas as divindades conhecidas, de Ash Ketchum a Wilson.
'Vou fazer o possível para me tapar até chegar em casa; vou me sentar na cadeira o máximo de tempo possível e ir todo me segurando para lá'. Minha casa ficava a uns dez minutos andando.
Fiz isso e, felizmente, não me caguei no meio da rua nem na frente dos meus amiguinhos. Porém, chegando em casa, descobri a capacidade de compressão que o material fecal pode atingir.
E foi uma das melhores sensações da minha vida, superada anos depois.
E o pior é que eu pensava que, saindo da merda do Sacomã, eu iria encontrar banheiros limpos, cheirosos e lustrosos. Daí, chego à simpática e acolhedora PUConha e percebo que mesmo se pagando bastante, banheiros em escolas são sempre os mesmo pântanos fétidos, chafurdando em bosta.
Quem nunca passou por isso na escola? No meio da rua? Na merda do metrô? Viajando para a praia e parado no trânsito - e vendo o fdp do cachorro saindo e soltando aquele tolete verde...
Eu quero ver como que vai ser cagar no JUCA! Obina nos acuda!

PS: Eu vou ali... e já volto.;p

26 de maio de 2009

Dia do NERD

Como eu poderia deixar passar essa data tão importante para muitas pessoas que eu conheço? Não tem como. Fato é que o Dia do Nerd foi ontem, mas isso a gente releva!

Não sabia que existia um dia para uma das classes mais importantes da sociedade atual. Sim: mais importantes. Ou você acha que todos os joguinhos de SNES e Atari que você acha hoje em dia pra baixar da internet simplesmente brotaram lá? Isso custou provavelmente um certo tempo de um nerd em algum lugar do mundo que achou que a sua tarefa para com o mundo era passar esses joguinhos para o computador. E depois ele com certeza foi se gabar para os seus amiguinhos nerds, que ficaram muito tristes e foram fazer joguinhos totalmente inúteis de flash!

O site da Globo fez até um teste para saber se você é um nerd. O meu resultado deu que eu até conseguia me virar sozinho, mas sinto um pouco de necessidade de usar o computador. Isso é uma grande baboseira, pois se assim fosse, eu teria dois blogs e estaria atualizando um deles as 7:30 da manhã de uma terça-feira! Coisa que NÃO está acontecendo!

O fato é que existem inúmeros tipos de nerd. Sempre tem o com o cabelinho sempre bagunçado, óculos fundo de garrafa, mais espinhas do que barba na cara, camisa social xadrez amarela e calça social bege. Esse primeiro tipo é o mas usado em filmes norte-americanos que sempre nunca refletem a realidade atual. Mas até em filmes daquele país os nerds já foram pop: No filme "Hacker", por exemplo. Os nerds que ficavam gastando seu tempo inteiro tentando acessar coisas absurdamente sigilosas em vez de fazer algo de útil na vida eram colocados como os fodas! O mais normal dos nerds hoje em dia é aquele que de algum modo consegue se infriltar na sociedade e parecer uma pessoa normal, mas quando chega em casa entra no computador para ficar jogando joguinhos de flash e respondendo fóruns de informática na internet.

Agora, quando seu time estiver prestes a perder na Libertadores e o jogo for pros pênaltis, um nerd terá a proeza de prometer que não jogará Playstation por um mês. E pasmem: Ele está conseguindo! Mas isso é uma conversa pra outra hora.

Feliz dia do Nerd e da toalha (?)!

23 de maio de 2009

Blog novo

Geeeente, tenho um blog muito foda pra mostrar pra vocês!
Tá começando, mas coisas muito boas vão ser escritas lá... e com certeza vocês vão gostar pra caramba!

O blog é o Vossa Insolência - acompanhem e comentem!

Minha aventura no PhotoShop, haha

PS: O blog é meu. HOHOHO.

20 de maio de 2009

Jüngerer Bruder

É biologicamente natural que cada ser humano gere dois ou mais descendentes - é uma maneira de que a espécie seja preservada. Desta forma, a maioria das pessoas é obrigada a conviver com parentes consanguíneos próximos e oriundos dos mesmos progenitores.

Hoje é dia de abordar a porra da relação entre irmãos. Se já não disse aqui no blog, é porque aqui é um ambiente bastante sério e faltou um momento mais informal - pois bem, eu convivo com uma esfera de gordura que - pasmem! - é meu irmão.


video

Velho, que lambada tosca

Pois bem, mesmo pesando 0,72 toneladas, ele é o mais novo. E o engraçado é que em relações entre irmãos, as relações hierárquicas não são iguais às outras. Aqui, o pequeno pokemon domina a casa toda: desde papai e mamãe até o escravo - o escravo atende pelo nome de Adriano Lira.


*** Neste exato momento, o pokemon estava tomando banho. Segue o diálogo:
- Dedé?
- Hã.
- Vai tomar no cu ;p !
- ¬¬
***

Hoje, tive que fazer a lição do porquinho. Segundo ele, o cansaço o impedia de usar apropriadamente suas faculdades mentais: 'Faz aí que eu dormi pouco, porra. Vou comer', declarou. Fui reclamar com mamis, que disse, 'Faz aí meu, que eu não quero ouvir seu irmão chorando. Se você não fizer, você não vai pra aquele negócio em junho [leia-se JUCAchaça]. Fica na linha!'.
Normalmente, eu tenho que arrumar a cama dele, pois ele, com dez anos, não sabe. Arrumo o guarda-roupa, faço o miojinho e o leitinho do filho da mãe (só não digo que é um FILHO DA PUTA porque eu seria filho de uma também)! Sorte minha que a parte de limpar o bumbum ele aprendeu, à força, algum tempo atrás.
Agora o Nhonho está querendo ficar grandinho - aliás, aparentar uma factual puberdade com suas amiguinhas na escola, que compraram sutiãs não sei pra quê (que maldaaade o.o). Como suas meias do Mickey e do Capitão Batata não são bacanas, ele começou a furtar minhas meias. E ele anda pela casa, jogando futebol e melando minhas estimadas meias com merda de papagaio.
AAAAAAAAAAH MANO!



A notícia vira merda de papagaio



O foda é que eu, na idade desta pequena polenta ambulante, fazia praticamente tudo o que uma doméstica faz. E apanhava pra caralho. Quando tinha oito anos, houve um lendário episódio aqui em casa: mamãe estava pregando um relógio da Xuxa MenegHELL no quarto, relógio esse que me dá medo - porra, ninguém quer ter uma foto do capeta no quarto, maano! Bom, eu tava precisando de um chá pra cagança, neh, e fui pedir pra véia. Possuída pela Xuxa, mamãe disse que ia me matar e apontou o martelo pra mim... bom, o que quero dizer é que isso nunca aconteceria com meu irmão, o Porquinho Atrapalhado.

Aliás, ela trocou meu post do Black Sabbath por uma porra de um quadro de paisagem, pois o Babe estava com medo do Tony Iommi. Puta que o pariu, velho! Sem contar os ótimos programas de TV que ele gostava; por exemplo, Barney, o demônio roxo, que poderia ser relacionado neste post.


E o principal, uma frustração que sempre terei em minha vida - já compartilhei isto com os alunos esforçados e inteligentes do Clube Getúlio Várzea. O caso do sonho de doce de leite.


Bom, meu pai costumava nos trazer deliciosos sonhos de doce de leite. Pois bem, houve um dia em que ele trouxe três: um para ele, um para deus...ops, meu irmão e um para mim. Mamãe não gosta de sonho.
Nessa época, eu fazia o saudoso técnico em Qúimica no Clube de Campo Getúlio Vargas e passava o dia inteiro estudando. Bom, cheguei à noite e lá tinham dois sonhos. O porco já havia comido a sua parte. Como já tinha comido uma coxinha na escola, pensei em deixar o sonho para o outro dia, pois assim economizaria alguns vintens pra encher a cara no fds.


Cheguei, no dia seguinte, exaurido de forças. Abri a geladeira afoitamente - parecia um morador do Congo em frente a um prato de inhame. O prato estava vazio. Nem pro infame colocar a merda do prato na pia!

É... o sonho acabou.


Logo, fui pedir satisfação ao papai, pois aquilo não era justo. Passava o dia estudando, enquanto o gordinho passava o dia peidando. Depois de reclamar, pápi fez cara de cu,


"Adriano, nem vem reclamar. Ele comeu o meu também"

...

Além de tudo, o mentecapto rouba até os meus sonhos, man!

17 de maio de 2009

IPT??? wtf???

Sexta-feira, você está indo para a gloriosa PUC quando lembra: Hoje tem aula de IPT! Subitamente te sobe aquela vontade de matar aula, mas você não pode porque o seu limite de faltas já está quase estourando ¬¬'!

Para os leigos, IPT significa Introdução ao Pensamento Teológico, que é matéria obrigatória em todos os cursos da PUC, para sofrimento de todos os alunos que tentam não matar aulas, mas não se aguentam quando veem essa matéria no horário. (E tem nos dois primeiros semestres)

Temos que ouvir perguntas como: "Você é feliz?", "Você é inteiro" e, a melhor de todas, "Você tem espírito?!" Estou só esperando o dia em que alguém vai falar que não tem espírito pro professor e ele vai quebrar a cara! E não fiquem pasmos com as súbitas mudanças de volume da voz e constantes e longas pausas entre um frase e outra.

Usamos então o longo tempo de 2 horas e 30 minutos para desenhar desenhos (desculpem o pleonasmo ;P) toscos, falar mal das pessoas e de vez em quando sempre damos umas saidinhas de aproximadamente 30 minutos pra relaxar e imitar o professor ;P.


Esse desenho aí em cima é um exemplo das nossas aulas. Como vocês podem ver, eu e o Adriano somos muito criativos e fizemos esse desenho agora na última sexta-feira, enquanto deveríamos estar estudando para a prova da Flamínia que era logo depois. (Detalhe: Eu só desenhei a grama ;P)

O que nos resta agora é ficar olhando pro teto esperando que o gato preto apareça para acabar de uma vez com dúvidas que ele existe!

E sexta-feira tem outra aula de Infinita e Putamente Torturante!

Sobre Acre e conspirações

--- UPDATE: Todo lugar onde estiver escrito Peru, troquem por Bolívia. Mas relaxem, a cocaína é a mesma. ---
Falemos hoje sobre a maior teoria da conspiração existente na atualidade.

Não, nerd, não falaremos do homem na lua - todo mundo sabe que ninguém foi à Lua. Em 1969, astronautas da Nasa vieram à base espacial da Brasa (agência espacial brasileira), localizada em Tauá. Não dava pra ouvir nada direito, porque o primeiro rádio só chegou no Ceará em 1996. E as "crateras lunares" eram simplesmente a terra rachada do sertão. A imagem foi retocada para deixar a cena com um ambiente mais longínquo, medonho - gravaram a cena com uma câmera da TV Comunitária da cidade.

A maior mentira, que querem nos fazer acreditar, é que o Acre é um Estado brasileiro! Eu diria que isso é uma cilada.




Imagem de um suposto acreano, capturado em 1959. Mas na verdade, repara na cabeça do filho da puta: é apenas um cearense.

Desde o início do século, foi formulada uma mentira, a fim de enganar toda a população civil da Terra de Santa Cruz. Segundo dados oficiais, o Acre foi comprado do Peru, em 1904, com a promessa de o Brasil fazer uma ferrovia para o Peru, até o atlântico, para que este simpático país pudesse exportar seus produtos para todo o mundo. Porém, há diversos argumentos que dizem o contrário. Não vou fazer isso em forma de ‘TOP’, não to a fim.

Primeiramente, todos sabem que no Peru não há carros, motos, bicicletas, pedalinhos – e muito menos trens! No Peru, toda a hospitaleira população se locomove com o melhor amigo do homem andino, a lhama. Se todos utilizam lhamas, o tráfico de entorpecente é feito pelas lhamas do tráfico (não mulas – HAM, HAM, ENTENDEU O TROCADILHO!?), e os maquinistas estariam muito dodjos pra pilotar o trem, obviamente esta ideia de ferrovia é a coisa mais furada do mundo.

Eu, assim como você, nunca conhecemos um acreano pessoalmente.
Se vier depois nos comentários, ‘ah, eu tenho um amigo acreano!’, não, idiota, ele é de Rondônia e passou por uma lavagem cerebral para enganar os brasileiros idiotas do sul.
Além do mais, você nunca falou com um acreano pelo MSN.

O Acre não pertence a esse planeta, e seu habitante mais famoso é um dos seres mais disformes e folclóricos que já pisaram no solo tupiniquim. Enéas Carneiro era acreano – e eu não estou brincando! Você já viu alguém parecido com Enéas Carneiro? Não, porque Enéas Carneiro não era um ser humano! Aliás, o Dr. Enéas não morreu! Sendo um ET, apenas foi refundar o grande PRONA em outro planeta.


Além do folclórico político, outras personalidades não-humanas, como Walter Mercado, Chupa-Cabra, Dercy Gonçalves e Pedro Celestino são acreanas. São seres que vieram simplesmente pregar as boas-novas desta dimensão alternativa na nossa Terra. Todos eles chegaram e irão de formas estranhas – perdendo barba, morrendo depois de 1799 anos ou destruindo escolas técnicas. O único desenho animado sem final feliz – aliás, sem final, ocorreu no Acre. Caverna do Dragão contava sobre uma montanha russa que por um acaso levou cinco jovens ao Acre.

Como se sabe, a Coca-Cola, a Rede Globo e a Tupperware já chegaram a todos os lugares do mundo, inclusive em Tauá, a capital do futuro Império do Ceará, dominado por mim, quando largar o jornalismo. Mas estas transnacionais boazinhas e preocupadas com o meio-ambiente ainda não chegaram ao Acre. Por raciocínio lógico, o Acre não faz parte do planeta Terra.

Há diversos estudos confiáveis feitos para se descobrir que merda é essa porra do Acre. Alguns especialistas no caso, como eu, acreditam que o Acre é um buraco-negro no meio da Terra, uma transição entre o Brasil e Klingon. Faz fronteira com El Dorado ao norte, Atlândida ao sul, Sodoma e Gomorra ao leste e Terra-Média a Oeste. Nem a menina gênio da televisão brasileira sabe onde é o Acre.

E a prova final:

Escondem o Acre até na previsão do tempo hsuihiuashasiuhas

Crianças, nunca acreditem no que a TV diz, okay?

12 de maio de 2009

Eu vou parar meu carro na frente do cabaré...

Hoje, acordei ao som de um ritmo músical digno das minhas tradições nordestinas. Bateu uma puta saudade do Ceará - lugar Pai d'égua da peste! Tanto que desenterrei uma música maravilhosa - cujo primeiro verso é o título da minha postagem hoje - que regeu minhas férias dos últimos anos, regadas a etanol e libertinagem.
Bom, o post hoje vai tratar sobre

-a Visão (preconceitosa?) de um paulistano sobre as terras 'de onde canta a jandaia*' -
*já leu Iracema, viado? Sorte sua.


_________________________________________________
A partir daqui o artigo será escrito em uma variante linguística diferente da norma urbana culta. _________________________________________________


Rapá, o Ceará é um lugar quente de rachar o quengo, macho véi. O povo do Ceará é que nem mangangá, meu véi - todo lugar dexe Brazilzão tem um cearense - aquele caba que te atendeu na padaria, rapariga, é primo dexe caba que tá lhe escreveno aqui, visse? Ertudos mostram que metade dos caba do Brasil tem descendença cu povo do Ceará.

Marrintão, eu sô de Tauá, sabe? Ali pertim da Várzea do Boi, onde tem us cabaré, sabe? É, macho, pertim de Quiterianópi. Valamedeus, pense num lugar bonito!

Exe caba é eu mermo

Pense num lugar graaaande. Rapar, ali num chove de jeito maneira! Deve chuver no máximo uma vez ao ano, ali na época das água de março. Cuono chove, o povo vai todo pras calçada. As veinha param de fofocar e até dão beijú pras criança. O coroné doa feijão pras famia mais pobre. Ar labigoda ficam tudo filiz, os soinho sai tudo da mata, macho. O céu todo azul, rapá. Peeense num negócio bonito da perte. No domingo depois da chuva, o prefeito faz um forró no meio da rua.

O açude sangra! Todomundovaiterumbardedeáguaprorertodoanomaaaachoveeeei! Eita, fiquei tão feliz que atropelei as palavra.

Em Tauá não tem polícia. A PM do Ceará saiu da delegacia e o Chico Milton, compadre da minha mãe (Sério!!!) ferrumrertaurante pupovo comer buchada. Todos os findiano, os conterrâneo de São Paulo, Rio de Janeiro, Governador Valadares e Bucareste vortam pro Ceará, né, pra passar as féria.

EITA PAU!

Rapá, é bomdimais! Entra dinheiro na cidade, pois os forrozeiros playboys cearenses voltam a fim de dançar forró e beber cachaça, carai! Com seus carros conquistados através de golpes - e com uma modesta aparelhagem de som - eles vêm e ar quenga de Tauá caem em cima, macho - elas podem conseguir uma sandália ou um saco de açúcar de presente se o vucovuco for bem feito. O meu azar é que eu não tinha carro. Mas tudo bem, eu não sou tãão espezinhado - e bastava eu falar a palavra mágica, divagazinho - "Sãão Paaulo"! Aí elas já sabem a origi do caba né. E a gente pega ;D.

E tem o mé, também, maaacho. Rapar, ar fulegare que tem no Ceará iam ser tudo paia sem a cachaça. Fiquei cheio dos pau, mutcho loko, pela primeira vez, lá no Ceará. Eita pau! Ypióca da boa. Eu lembro que o caba que tocou a seresta até ria de mim! Devo ter pegado uma pá de cotovia esse dia, visse!

Outra corra. Tauá fica na divisa com o Piauí, né? Bando de fidiputa. Rão se lascá, seus fidiquenga! Renha ficá frescando no meu blog não. Bando de piauiensa safado. Tudo uns caxaprega, vão pa baxa da égua, carai! Venha botar boneco aqui não, porra!

"Leve um casaco"

Frase dita para um piauiense que vai ao Ceará

Só pra terminá, que tá chegano a hora do armoço e depois eu vou sestar... um dia, os cearenses vão tudo dominá esse mundão de Deus, com a ajuda do Padim Ciço. Nós semos tudo mais desenvolvido que esse povo todo aí, macho. Ou rocê acha que aquele cabeção é à toa, macho?

Simbora pro Ceará, rapar. Se avexe e num fique frescano aí não!

_________________________________________________

Aqui acaba a variante linguística que difere à Norma Urbana Culta.

_________________________________________________

Qualquer dúvida, pergunta que eu tento traduzir. ;D

Ah Jé, que bom que vc fica feliz com os posts! Beijos.

8 de maio de 2009

Top 5 - Pessoas que assustavam minha infância

O blog deu uma estagnada por estarmos passando uma semana mais ou menos conturbada na PUC - nem fomos ao bar esta semana. Hoje temos prova de Teologia, e também ler uma porção de coisa - já que ninguém presta atenção no professor... a gente tem que ler, né...


Mas então... quando somos pequenos, mais coisas nos assustam do que quando maiores. Eu, como a criança normal que sempre fui, tinha meu sono perturbado por personalidades nefastas e assustadoras - e o pior é que alguns deles não me assustam mais nem fodendo - vi coisas mais feias enquanto crescia no admirável Reino do Sacomã. Bom, vamos ao que interessa:

#5- Gil Gomes / Carlos Alborghetti: Pra quem não se lembra, estes dois filhos da puta apresentavam programas semelhantes, de jornalismo (?) policial. Gil Gomes, mais famoso, apresentava o ético e refinado Aqui Agora - assustava as pessoas com aquela voooooz, fazia uma corcunda e fazia um movimento semelhante ao que um DJ faz em sua pick up:



Alborghetti é mais conhecido pelos 'LeiTCHEEE QuenNNnnte' do Paraná. É (ou era) um apresentador centrado, calmo e educado. Preocupado com os direitos humanos, é uma pessoa agradabilíssma de se ver na TV. Com certeza pior que Gil Gomes, tinha um belo corte de cabelo e andava com um toalhinha, pois ele suava como um porco na Suazilândia:





Tanto um como o outro, com seu pitoresco jeito de se fazer TV, conseguiam fazer com que eu pedisse pra minha mãe pra por na novela da Rede Glóbulo de Televisão!


#4- Doutor Enéas Carneiro:
- "Miasmas pútridos emanam do congresso em Brasília, contaminando o ar da metrópole. Mas o meu nome não exala odor mefítico, porque não chafurda no pântano da ignomínia!" -

Este senhor, que após alguns biênios até se tornou uma figura aprazível para mim, fazia um real pandemônio em minha juvenil cabeça. Lembro da primeira vez que o vi, aos três anos de idade, em uma campanha política, parecida com isto:





Sem maldade, esse video do Eneas é uma das coisas mais fodaas que eu já vi!

#3- Dercy Gonçalves:
"Dercy trocou minhas fraldas e passou talco no meu bumbum" - Deus


Esta velha filha duma puta, que foi assassinada por sua rival (que quer tomar seu lugar), Hebe Camargo, sempre me assustou, até a sua morte, aos 1,2x10³¹ anos. Mais enrugada que um maracujá, esta agradável senhora só serviu mesmo para difundir a palavra mais utilizada pelos habitantes do Sacomã - POOOOOORRA! O engraçado é que diziam que seu cachorrinho era chamado assim.

#2- Carlos Valderrama: Para quem não conhece de nome, este é um ex-jogador colombiano. Aliás, dos melhores que nasceram na República das Ervas - maior parceira comercial do Sacomã. O que deixava todas as criancinhas com medo não era seu futebol - jogador bom a gente tinha aqui - e sim, isto:

Mano, de boa, é uma das coisas mais feias que já existiram em toda a História. Tem uma irmã, nascida aqui no Brasil.

TCHANAM!


#1 - Professor Tibúrcio: Este é top. Provavelmente as pessoas nem se lembram dele, mas era um personagem do progrma Rá-Tim-Bum!, lá da TV Cultura. Era um programa educativo e contava com outras coisas que me davam medo - como o sensacional "Senta que lá vem história". Era interpretado por Marcelo Tas.

O que me conflita até hoje é o motivo de, num programa infantil, colocarem um filha da puta desse, pintarem ele de branco e colocarem uma roupa preta num fundo monocromático. A música contribui muito, também. O clima se tornava assustador, mano! Pra terminar, o Professor entrava e saía de cena como um demônio, numa velocidade escalar média de 3650 mph:




Bom, nem precisa dizer que esses caras me traumatizaram e me fizeram crescer e me tornar este cidadão idiota que vos escreve, né...

Beijos - e comentem, desgraçados!

5 de maio de 2009

Apocalipse now!



O 69 mais porco que se tem notícia

Hoje eu acordei meio apocalíptico.

A gripe suína está se tornando uma pandemia. Daqui a pouco, com certeza teremos casos no nosso glorioso país. Apesar de fraquinha, é altamente transmissível e pode se alastrar pra caralho. Aliado ao medo iminente de morrer espirrando como um porco, andei lendo o Ensaio sobre a cegueira - que me fez abrir e fechar os olhos todos os dias para ter certeza que não tinha cegado - e jogando uma porção de jogos violentos, como Resident Evil, onde todo mundo vira zumbi no mundo - todo mundo come todo mundo, mano. E não, isso não é nada bom.


Além disso, tava lendo em alguns sites superconfiáveis que vírus, quando se alastram, podem sofrer mutações das mais simples às mais avassaladoras. Vai que esses porquinhos, de uma hora pra outra, virem zumbis!


Um dos fatos mais confiáveis que isso pode ocorrer é o aparecimento, umas semanas atrás, do primeiro exemplar de zumbi. Para nosso azar, ele nasceu no Brasil - e como todo zumbi que se preze-, tem um repertório léxico limitadíssimo. O segundo zumbi apareceu na maravilhosa terra dos indies, a Inglaterra. Ao contrário do primeiro, este tem uma capacidade expressiva razoável, mas fisicamente lembra o pai dos zumbis, Shrek.


Pense ainda no fato de que, em boa parte das culturas, o porco é um animal impuro. Nada mais próprio para o demônio do que passar o apocalipse a partir do nosso suculento suíno. Além disso, há a chance do Palmeiras ganhar a Libertadores.


Outras culturas, como a dos Incas, dizem que algo muito importante vai ocorrer em 2012 - e não deve ser isso, indies from Birmingham. Eu diria que, pra fazer o apocalipse de vez, isto deve ocorrer.


---


Gente, aqui fica a previsão, o apocalipse tá começando. Em 2012, quando a besta argentina e a bola tupiniquim se juntarem para conquistar o continente, o mundo vai acabar. Pois quando o impossível acontece, nada mais é necessário!


---



PS:




Eu achei uma entrevista deeeeele!

Sim, ele existe! hahahaha

1 de maio de 2009

Top 5 - merendas saborosas

Como não falei muita coisa de mim até hoje - não tive a decência de fazer um blog sério - não disse que estudei em escolas municipais do longínquo ano de 1995 até 2005. Época que convivi com pessoas bonitas, educadas e instruídas para o bem de todo o Brasil, mas isso fica para um dia qualquer.
O que interessa, meus amiguinhos, é que durante este período nos alimentavam durante o período escolar. Sim, pessoas da Avenida Paulista e arredores, eles distribuem lanches nas escolas, não tem cantina e coisas do tipo.

E eu tava lembrando das agradáveis situações que às vezes a gente passava na escola: a merenda era de excelente qualidade. Hoje, arrebatado pela nostalgia, tive vontade de compartilhar com todos as suculentas iguarias que nos enfiavam goela abaixo:



#5 - A laranja - 'Nossa Dedé, o que uma laranja tá fazendo nesta lista?', perguntou meu irmão.
O problema era que essa simples fruta cítrica era tão ácida, mas tão ácida, que a laranja do Sacomã é hoje utilizada como vinagre pelos habitantes do bairro. Eu parei de comer laranja por alguns anos devido a um furúnculo na ponta da língua que a deixava tão escamosa como o iguana que decora nosso blog. Me fodi.

#4 - A maçã e a banana - Voltando às frutas, lembrei que às vezes eles nos presenteavam com uma dessas peculiares e exóticas frutas como sobremesa. Na tua escola, seu viado, tem pudim e sorvete de creme de sobremesa, no Sacomã, frutas.
Fruta, bah! Fruta faz bem a saúde e não tem salmonela. Não entope as nossas amadas artérias e vasculares afins. Mas o problema não era esse. As frutas que nos davam apresentavam pequenas putrefações, que faziam com que o Thales, um coleguinha nosso, peidasse pra caralho. Houve um dia que o Cocrete (o Thales não gostava de ser chamado assim, mas a gente mandava ele se foder se reclamasse) bufou tanto, mas tanto, que tivemos que ter aula no pátio, para que suas bombas de metano e maçã podre se dissipassem com mais facilidade.
Para fechar, fazíamos épicas batalhas com as maçãs (com a banana pegava mal): dividíamos as 500 criancinhas em dois grupos, um de cada lado do pátio, e começávamos a atirar com toda a força. Até naquele lugar eu levei maçã, maaano.

#3 - Sanduíche de patê - O problema deste pitoresco lanchinho de patê -aquilo, feito de presunto, que mamãe põe na sua torradinha, veado - é a procedência dos ingredientes do patê. Pois ele era de salsicha, segundo a tiazinha merendeira, parecia de presunto, mas tinha gosto de cachorro.



Como desde criança eu curtia esse negócio de jornalismo e tal, perguntei para a Filó, minha Tiazinha merendeira favorita, do que era feito o patê. Aí ela me disse, 'num fala pa ninguém não, viu, fio? É de salchicha, mas a gente botamo uma aguinha pra rendê, neh?'. Nada de mais, exceptuando-se o momento em que eu, já longe da Tia, ouvi o grito 'Zeeeefa, segura esse gato que hoje é o dia dele!'

o_O

Sorte que eu nunca tinha comido esse patê miau aí =D


#2 - O leite - Na época em que minha vida acadêmica começou, principiava-se também a distribuição gratuita de dois quilos de leite em pó por mês, para cada pseudo-delinquente das escolas municipais. Sim, jovem tolo, era de graça. Meu irmão ganha até hoje.

Bom, só que nós pensávamos que o governo também só devia dar dois quilos de leite por mês para a cozinha da Escola. O leite era extremamente diluído - percebíamos com mais clareza no dia dos Sucrilhos, que eles metiam na canequinha de leite. Também percebíamos gostos diferentes do leite, além de texturas que fogem ao que eu entendo por leite. Hoje, acho que colocavam cal, farinha, tinta e coisas do tipo. Torço para que nada mais branco (é, aquilo que você pensou) tenha aditivado nossa bebida láctea.



And the winner is...



#1 - Os ovos multicor - Eu sabia que você estava sentindo falta dele! 'O lanchinho que trazia todo dia uma surpresa para você! O único em 14 tonalidades exclusivas de gema! Cada cor tem uma bactéria diferente também... você pode contrair de pênfigo e gonorréia, a aids e ebola!'Esse eu nunca tive coragem de comer. Era um dos motivos pelo qual o Thales (o da maçã) era tão odiado por seus coleguinhas.
As tias desgraçadas viam aqueles com gemas azuis, roxas, púrpuras, verdes, listradas e tal, e não faziam nada. Só falavam, 'come aí, sa porra'... eu sempre dava o meu pro Thales. Brincávamos também de futebol e o clássico Rolinho-Porrada, motivo para posts futuros.


Bom, quer coisa mais sem estilo que uma escola municipal? Ainda mais do Sacomã? Eu teria medo e sairia desta merda de blog o mais rápido possível.